Mulher Transtorno AlimentarOs transtornos alimentares têm atingido a sociedade cada dia mais, principalmente os jovens. É um desvio de comportamento alimentar, uma verdadeira "epidemia" que cresce pela grande preocupação com a estética, com a perfeição do corpo e com os padrões de beleza, que são impostos. Quem se preocupa obcecadamente com o corpo de maneira negativa, acaba sendo afetado por alterações psíquicas caracterizadas pelos distúrbios alimentares.

Pesquisas mostram que os transtornos alimentares são mais comuns em países ocidentais, e claramente frequentes entre mulheres jovens, principalmente as que pertencem à classe mais alta, o que fortalece sua conexão com fatores sócio-culturais. Isso demonstra que os transtornos alimentares estão na maioria das vezes, ligados à cultura. A pressão cultural para emagrecer é considerada um elemento fundamental para a causa desses transtornos.

Os principais tipos são a Anorexia e a Bulimia. Conheça um pouco mais de cada um delas.

Anorexia

A anorexia é uma busca incessante pela magreza, a ponto de ficar dias sem comer. A causa está relacionada a fatores psicológicos, biológicos, familiares e culturais, as pessoas dão extremo valor à magreza e criam uma imagem distorcida de si mesmos. Podem estar supermagros, mas ao se olharem, não se sentem satisfeitos, acham que precisam emagrecer ainda mais, pois estão sempre "gordos". Viram escravos das calorias e criam métodos para evitar a comida.

Normalmente, começam a reduzir a quantidade de alimentos nas refeições, depois cortam as próprias refeições, chegando ao estágio de pararem de comer e também praticam exercícios físicos exageradamente.

Algumas pessoas que sofrem de anorexia admitem que durante muito tempo achavam que não estavam com problemas e não aceitavam o que os outros diziam. Mas, com o tempo, os danos físicos começam a se tornar gravíssimos, a ponto de terem que ficar internados durante meses. Sem contar que não há mais como viver em paz, com tranquilidade, tudo é tristeza, depressão, ansiedade, medo, insegurança, não conseguem estudar, trabalhar, acabam se afastando dos amigos e familiares.

Mesmo com todo o tratamento e acompanhamento, é muito difícil se recuperar, pois ficam sequelas e muitos pacientes continuam achando ruim ter que comer, quase um sacrifício. O pavor de engordar fala mais alto.

Em alguns depoimentos, pode-se perceber a gravidade dos casos: meninas que pesavam 60 Kg e chegaram a 30Kg, que emagreceram 20 Kg em apenas 2 meses, que com 19 anos e 1,60 m pesavam 28 Kg, que ficaram sem comer durante uma semana, que tomaram 10 laxantes por dia, que ficaram mais de 5 horas direto fazendo esteira, que vomitavam sangue para ter certeza de que não tinham nada no estômago. São casos graves que precisam ser avaliados por médicos e especialistas.

Sinais e Sintomas da Anorexia

  • Emagrecimento excessivo;
  • Destruição do esmalte dentário;
  • Fraqueza;
  • Desmaios;
  • Pele seca e amarelada;
  • Cabelos finos, secos;
  • Amenorreia (interrupção da menstruação);
  • Desnutrição;
  • Visão distorcida do próprio corpo;
  • Vômitos provocados;
  • Uso de laxantes, diuréticos, hormônios de tireoide e pílulas para emagrecer;
  • Excesso de exercícios físicos;
  • Depressão;
  • Isolamento social;
  • Sempre dão um jeito de sair da mesa ou serem as últimas a terminar as refeições.

Tratamento da Anorexia

O tratamento da anorexia é realizado por uma equipe multidisciplinar, pois a perda de peso em excesso tem como consequência graves problemas emocionais e fisiológicos. É necessário um acompanhamento psicológico, clínico e nutricional.

Normalmente, o tratamento baseia-se em uma reeducação alimentar muito cuidadosa, com o acompanhamento de antidepressivos e outros medicamentos que dependendo da situação, ajudam a normalizar o funcionamento do organismo.

O tratamento é difícil e demorado, normalmente ocorrem diversas recaídas. É preciso ter muita força de vontade, querer realmente sair da situação e sentir a necessidade de viver livre e feliz. O apoio dos pais e amigos é essencial, assim como a troca de experiências com pessoas que já passaram por isso, e conseguiram se recuperar.

Para os pais: Estejam sempre atentos ao comportamento de seus filhos, principalmente durante a adolescência. Converse, explique a importância de não seguirem o que é imposto como "corpo perfeito", diminua a pressão em relação à valorização de aspectos físicos. Seja exemplo para os seus filhos e participe da vida deles. Alguns começam a ter transtornos alimentares para chamar atenção dos pais; portanto, a orientação é a melhor prevençao.

Mulher BulimiaBulimia

A bulimia pode ocorrer de forma independente ou estar associada à anorexia. A grande diferença é que quem tem bulimia, ingere grandes quantidades de comida de uma só vez, de forma compulsiva (crises bulímicas). Mas após comer vem o peso na consciência, o medo exagerado de engordar e utilizam métodos compensatórios, como induzir o vômito e ingerir laxantes e diuréticos. Ou seja, essa pessoa não reduz a quantidade de alimentos consumida e não deixa de comer por longos períodos.

Pode haver alternância com fases da anorexia, ou seja, pessoas anorexas mesmo não comendo nada, de repente têm um descontrole, comem muito e colocam tudo pra fora.

Há pessoas que não apresentam perda de peso mesmo sendo bulímicas, dificultando o diagnóstico precoce.

A causa é uma mistura de diversos fatores, entre eles: psicológicos, culturais, biológicos e familiares. Mas o principal é a ênfase na aparência física e nos ideais de beleza impostos pela sociedade, o outro é a baixa autoestima e os conflitos de identidade. Os bulímicos têm vergonha do que sentem e evitam ao máximo comer em público, além da vergonha extrema do próprio corpo.

Sintomas da Bulimia

  • Comer escondido;
  • Alimentação excessiva sem aumento proporcional do peso corporal;
  • Depressão;
  • Preocupação;
  • Necessidade de induzir vômitos;
  • Uso constante de laxantes e diuréticos;
  • Obsessão por exercícios físicos.

Tratamento da Bulimia

Assim como a anorexia, o tratamento necessita de uma equipe multidisciplinar, incluindo psicoterapia individual ou em grupo, farmacoterapia e um acompanhamento nutricional. A bulimia afeta diversas áreas do organismo, gerando inflamações na garganta, desidratação, desequilíbrio eletrolítico, problemas gastrointestinais, dores musculares e câimbras, destruição do esmalte dentário, cáries, vômitos com sangue, inflamação nas glândulas salivares, dentre outros.

Por causa desses diversos problemas, o tratamento é direcionado por medicamentos para os problemas decorrentes da doença, mas com o auxílio de antidepressivos, acompanhamento psicológico, orientação nutricional, e em alguns casos terapia familiar, para que o problema seja encarado e resolvido da forma melhor, pois o papel da família é extremamente importante nesse momento. O tratamento é muito eficaz, principalmente quando não há alternância com fases da anorexia.

Outros transtornos alimentares que prejudicam a vida dos indivíduos são:

  1. Ortorexia - fixação por alimentação saudável, sem agrotóxicos ou comidas enlatadas.
  2. Pica - ingestão de substâncias incomuns como argila, sabonete, flores, cola, etc. a medida que a criança cresce a doença diminui, exceto em crianças com transtornos como o autismo.
  3. Síndrome do Gourmet - é um distúrbio em que o indivíduo só consome alimentos sofisticados ou pratos exóticos. Além disso, ele sente prazer em comprar e preparar o alimento. A doença pode estar ligada a lesões no cérebro.
  4. Sindrome de Prader-Willi - ingestão de comidas de alto valor calórico e está relacionada a obesidade precoce.
  5. Distúrbio Alimentar Relacionado ao Sono (DARS) - o indivíduo tem compulsão por comer a noite, ataca a geladeira e no dia seguinte não se lembra do ocorrido. Esse problema pode ser uma consequência do sonambulismo.